Depoimentos de um profissional do mercado de TI – Parte 2

Ano passado, um aluno de Programação III me perguntou se eu tinha alguma dica do que ele deveria focar em termos de carreira em TI. Repassei a pergunta a um amigo meu que trabalha no mercado (na indústria de software). A resposta dele foi tão boa que, com sua autorização, publiquei aqui no blog.

Na sequência, o aluno enviou a seguinte resposta:

Obrigado mesmo, pode ter certeza que tu me ajudou bastante agora… PHP,CSS, HTML e PostgreSQL eu ja brinquei bastante agora JavaScript tenho menos contato. Acho que vou seguir seus passos e ver Ruby on Rails, já ouvi uns amigos comentando e parece muito bom, mas ainda não tive tempo para parar e estudar isso. Você mencionou o GitHub, e que as pessoas te acham por ele, só fiquei um pouco com duvida na parte de que tipo de coisas você costuma deixar lá, se são seus projetos de trabalho mesmo ou coisas que você faz a parte para se aperfeiçoar. Será que é muito complicado arrumar um trabalho desses com menos de 1 ano de experiencia?

A resposta do meu amigo foi a seguinte… — Aviso: é textão! 🙂

Veja a nova resposta…

Depoimentos de um profissional do mercado de TI – Parte 1

Há alguns dias um aluno de Programação III me perguntou se eu tinha alguma dica do que ele deveria focar em termos de carreira em TI. Minha experiência de mercado é muito pequena: após formar, trabalhei com TI durante 1 ano e voltei à Ufes para fazer mestrado, encadeando um doutorado logo em seguida.

Lembrei, no entanto, que recentemente havia encontrado um amigo que trabalha com desenvolvimento de sistemas para uma empresa e, nesta ocasião, conversamos bastante sobre tecnologias usadas em seus projetos, dificuldade de achar bons profissionais, dentre outras questões de mercado. Enviei um e-mail pra ele, esperando alguma resposta rápida, mas ao invés recebemos (o aluno e eu) uma longa mensagem com várias reflexões interessantes para profissionais de TI (formados e, principalmente, em formação).

Veja a resposta…

Respostas que um programador Java busca quando começa a programar em C++

Há alguns semestres eu leciono matérias como Programação III ou Programação Aplicada de Computadores, que focam em programação orientada a objetos e incluem em seus programas linguagens como Java e C++. Ensinar Java é bem tranquilo, visto que programo nesta linguagem desde 1999, sempre fiz parte de JUGs (mesmo durante o doutorado), escrevi artigos para revistas sobre Java, enfim… me mantive atualizado.

Já em C++ minha experiência era bem limitada em comparação. Antes de começar a lecionar usando esta linguagem, só a tinha utilizado uma vez durante o meu curso de graduação, na disciplina Linguagens de Programação com o prof. Flávio Varejão. Na época, o currículo da Ciência da Computação não incluía uma disciplina específica para Programação OO.

O resultado é que fui aprendendo bastante sobre a linguagem ao longo destes quase 3 anos como professor do DI/Ufes. Criei até um utilitário C++ com funções de tokenização (tipo java.lang.String.split()), formatação de datas (tipo java.text.SimpleDateFormat) e de números (tipo java.text.NumberFormat).

Este semestre, no entanto, resolvi fazer diferente das últimas vezes que dei essa matéria e implementei o trabalho prático não só em Java, mas também em C++. Descobri que tinha muita coisa necessária no processo de “tradução” de um programinha simples em Java para C++ que eu estava ainda por descobrir. Montei, então, esse “FAQ” com algumas dicas para quem segue nessa mesma estrada do Java para o C++. Espero que ajude!

Veja as perguntas (e respostas!)

Controle de alterações em LaTeX usando Git e SourceTree

Em meu site, indico aos meus alunos que sempre que possível e indicado, use o LaTeX. O LaTeX proporciona uma escrita mais estruturada, aliviando o autor de preocupações de formatação, referências cruzadas, referências bibliográficas, etc. Em especial para mim, que reviso as publicações dos alunos, quanto menos coisas pra me preocupar (será que o aluno incluiu todas as citações na referência?), melhor.

Continue reading